Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Efeitos do Coronavírus

Mäyjo, 07.03.20

O novo coronavírus, COVID-19, para além das consequências em termos de saúde, também provoca consequências no turismo que já são “visíveis” através de fotografias de satélite.

Após as imagens da NASA e da ESA que mostraram a redução da poluição na China, os satélites que monitorizam a Terra voltam a mostrar outros efeitos colaterais do novo coronavírus. Agora os as imagens mostram alguns pontos turísticos que já “sentem” os efeitos desta epidemia.

As fotografias aéreas são divulgadas pela empresa de tecnologia espacial Maxar e mostram o antes e o depois de espaços normalmente bastante movimentados, agora com muito menos pessoas.

As imagens dos “antes” remontam há uns meses, as do “agora” apenas há alguns dias, com diferenças óbvias. Os “visados” incluem atrações turísticas, destinos religiosos, mas também aeroportos, esvaziados à medida que se cancelam viagens de negócios e de lazer.

Ruas de Wuhan - China.jpeg

Ruas de Wuhan - China

Praça Tiananmen - Pequim.jpeg

Praça Tiananmen - Pequim

Santuário de Fátima Masumeh-Qom .jpeg

Santuário de Fátima Masumeh-Qom

Duomo - Milão.jpeg

Duomo - Milão

Grande Mesquita de Meca.jpeg

Grande Mesquita de Meca

Aeroporto de Teerão - Irão.jpeg

Aeroporto de Teerão - Irão

 

 

 

 

 

 

Terminal de cruziros em Manhattan Cruise Terminal, New York City

Mäyjo, 18.06.18

MCT.jpg

40 ° 46'06,9 "N, 73 ° 59'50,5" W

Os cais 88 e 90 compõem o Manhattan Cruise Terminal, uma porta de entrada para navios de passageiros oceânicos no bairro Hell's Kitchen de Nova York.

Ambos os cais têm 340 metros de comprimento e 120 metros de distância, e juntos eles movimentam mais de 1 milhão de passageiros por ano.

 

Origem da imagem: Nearmap

Diário de viagem: Sinagoga de la Ghriba, Djerba (Tunísia)

Mäyjo, 11.01.18

Diário de viagem.jpg


"Hoje visitei a sinagoga de la Ghriba, um dos principais marcos dos judeus de Djerba e do judaísmo no geral. É uma das mais antigas do mundo, construída em 586 ac. Surpreendentemente 30% da população de Djerba é Judaica, uma das últimas comunidades judias que sobrevivem no mundo árabe."

Texto: Rute Obadia (testemunho na primeira pessoa) 
Fotos: Rute Obadia 

 

VAI SER MAIS DIFÍCIL VISITAR MACHU PICCHU

Mäyjo, 29.07.17

Machu Picchu

“A cidade perdida dos Incas” é um dos destinos turísticos mais famosos do mundo. Construída no século XV como santuário religioso, no topo de uma montanha a 2490 metros de altitude, Machu Picchu foi abandonada com a chegada dos espanhóis, e só séculos depois, em 1911, foi dada a conhecer ao mundo, descoberta pelo explorador norte-americano Hiram Bingham. Em 1983, a UNESCO classificou-a Património Mundial da Humanidade e, em 2007, a velha cidadela inca foi considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno.

 

Hoje, este sítio arqueológico no vale do rio Urumamba recebe cerca de 1,7 milhão de visitantes por ano, um número que levou as autoridades peruanas a anunciar, recentemente, novas medidas para diminuir o impacto do turismo – aparentemente devido a pressões da UNESCO que tem ameaçou colocar Machu Picchu na lista do Património Mundial em Risco, avança o jornal britânico The Guardian. 

Assim, desde 1 de Julho que os visitantes só são autorizados a entrar na cidadela com um guia oficial, e em grupos com um máximo de 16 pessoas. Além disso, devem comprar bilhetes que lhes dão acesso apenas apenas a um período de tempo – manhã (das 6h00 ao meio-dia) ou tarde (do meio-dia às 17h30) -, e devem optar por uma de três rotas pré-definidas através do complexo arqueológico, não podendo circular livremente pelo recinto como acontecia até agora. Quem desejar ficar o dia todo, deverá comprar dois bilhetes. 

Com estas medidas, as autoridades esperam manter o misticismo e autenticidade do local, cada vez mais desvirtuados pelo número crescente de visitantes, e reduzir o congestionamento, particularmente complicado de gerir durante a época alta, nos meses de Julho e Agosto.

Foto: Creative Commons